Serra do Brigadeiro e Associação Amigos de Iracambi

Parte de Minas Gerais já foi coberta pela Mata Atlântica. Hoje, a exemplo do que acontece no restante do país, pouco sobrou da cobertura original desse bioma. Alguns parques nacionais e estaduais ainda guardam remanescentes da Mata Atlântica no estado. Exemplos: Parque Nacional do Caparaó, Parque Nacional do Itatiaia, Parque Estadual do IbitipocaParque Estadual do Rio Doce e Parque Estadual da Serra do Brigadeiro.

O assunto dessa postagem é justamente o entorno do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro, mais precisamente sobre seu vetor sul, município de Rosário da Limeira – localizado na Zona da Mata mineira. Nessa pequena cidade, tipicamente mineira, está sediada a Associação Amigos de Iracambi. É uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) que desenvolve estudos e pesquisas voltados à ampliação dos conhecimentos sobre a Mata Atlântica através intercâmbio com entidades científicas, de ensino e de desenvolvimento social, nacionais e internacionais. A entidade possui 3 bases de apoio: um escritório administrativo na cidade, um centro de pesquisas e uma reserva natural particular (RPPN). Membro da Frente Mineira pela Proteção da Biodiversidade, assim como a Ecoavis, a aproximação entre as instituições se deu pelo interesse comum pelo conhecimento e preservação das aves. A Associação Amigos de Iracambi e a Ecoavis estão trabalhando juntas para o conhecimento das aves da região e planejando eventos voltados à observação de aves no ano de 2014. Nesse contexto surgiu a proposta de parceria com o Minas Birding Tours, completando assim o ciclo preservação (Iracambi) <-> conhecimento (Ecoavis) <-> desenvolvimento (Minas Birding Tours).

Nas visitas da Ecoavis ao centro de pesquisas e áreas protegidas mantidas pela Iracambi identificou-se, além de dezenas de espécies de aves, potencial para o desenvolvimento do turismo de observação. O turismo é uma alternativa de geração de renda para a Associação, que disponibiliza leitos para hospedagem no centro de pesquisas, e para moradores das comunidades locais, sendo que alguns já atuam no fornecimento de alimentação aos hóspedes do centro de pesquisas e outros poderão futuramente atuar como guias de observação.

Mas, o que a Serra do Brigadeiro e a Associação Amigos de Iracambi podem oferecer aos turistas? A resposta é simples: Mata Atlântica preservada e imersão nesse ambiente, desde os primeiros raios de luz do dia, quando os sabiás nos acordam com sua cantoria, até o último bate-papo da noite, quando os sapos, grilos e, com sorte, alguma coruja ou curiango nos desejam boa noite (ou boas chances de observá-los).

Instalações do Centro de Pesquisas da Associação Amigos de Iracambi, em meio a um fragmento de mata em regeneração

No entorno do centro de pesquisas, entre os alojamentos, restaurante, trilhas e estradas vicinais é possível encontrar várias espécies de aves. Algumas delas podem ser observadas tranquilamente da varanda do restaurante, sentado em um banco, enquanto são realizadas as refeições ou amigos colocam as conversas sobre as passarinhadas em dia.

sanhaçu-de-encontro-amarelo (Tangara ornata)

Além do centro de pesquisas e seu entorno, a RRPN Pico da Graminha, reserva natural mantida pela Associação, localizada na parte sul da Serra do Brigadeiro, é outro ponto interessante para observação de aves. Existe uma iniciativa, coordenada pela própria entidade, para que pessoas, empresas ou instituições interessadas na preservação da região adquiram propriedades rurais que já foram utilizadas para lavouras de café e as transformem em mais RPPNs (como a Iracambi fez com essa área onde era uma fazenda), formando assim um grande corredor de preservação na zona de amortecimento do Parque Estadual, cujos limites estão bem próximos.

RPPN Pico da Graminha e os picos do vetor sul da Serra do Brigadeiro

Lá, há alguns pontos ainda em estágio inicial de regeneração, onde centenas de mudas de árvores nativas foram plantadas. Há muitas nascentes, topos de morro e grotas foram preservados, o que favorece a oferta de alimento para as aves e outros animais – há grande expectativa pelo flagrante da suçuarana nas câmeras trap instaladas. O sabiá-una e o capitão-de-saíra (Attila rufus), dentre outras espécies de aves, já foram registrados nessa RPPN.

sabiá-una (Turdus flavipes)

O terceiro ponto de interesse aos observadores de aves que visitam a região é a RPPN Fazenda Iracambi. Matas preservadas abrigam a araponga (Procnias nudicollis) e o surucuá-de-barriga-amarela, espécies raras em Minas Gerais. Há uma trilha através da qual é possível caminhar por uma parte da reserva.

Trecho de uma das trilhas dentro da RPPN Fazenda Iracambi

surucuá-de-barriga-amarela (Trogon rufus)

Gostou do destino? Então prepare-se porque eventos voltados para observação de aves estão sendo programados para 2014, através da parceria Ecoavis / Iracambi, sendo um no primeiro semestre, restrito a membros da Ecoavis, e outro no segundo, aberto a todos os interessados em conhecer a região.

A Associação Amigos de Iracambi está se preparando para que, futuramente, possa receber mais observadores de aves. Caso tenha interesse em conhecer a região, entre em contato!

Sobre Ricardo Mendes

Birding since 2006 - www.ricardomendes.eco.br
Esse post foi publicado em Locais para observação, Parques Estaduais, RPPNs e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s